Associação ACEGIS

Campanha “Não corte o Futuro!” regressa aos aeroportos nacionais

A campanha “Não corte o Futuro!”, de prevenção e combate à Mutilação Genital Feminina (MGF), foi relançada nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro.

 

Esta campanha, que vai permanecer nos aeroportos nacionais até ao início do próximo ano letivo, dá continuidade ao trabalho do Governo com organizações e profissionais para a erradicação da MGF. A prevenção e combate às práticas tradicionais nefastas, nomeadamente a MGF e os casamentos infantis, precoces e forçados são objetivos estratégicos do Plano de Ação para a Prevenção e o Combate à Violência contra as Mulheres e à Violência Doméstica, que integra a Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação 2018-2030 – Portugal + Igual.
 
A MGF é uma violação dos direitos humanos baseada na desigualdade de género, limitando a autodeterminação de meninas e mulheres e privando-as do seu direito à integridade física e psicológica. A MGF, assim como os atos preparatórios, são crime de acordo com o Código Penal em Portugal.

Esta iniciativa é promovida pela Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) e pelo ACM, em parceria com dez organizações da sociedade civil: 

Mutilação Genital Feminina

Os instrumentos globais de direitos humanos condenam a MGF; mesmo assim, 4,1 milhões de meninas e mulheres correm o risco de serem submetidas à prática somente em 2020. Cerca de 200 milhões de meninas e mulheres vivas hoje sofreram alguma forma de mutilação genital em 31 países.

Destaques

Casamento Infantil e Mutilação Genital: práticas nocívas que fazem milhões de vítimas

Ainda não recebe a nossa newsletter?

Receba as nossa notícias e artigos no seu e-mail. Fique a par das nossas novidades.

Join 16.608 other subscribers

Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social

Todos os Direitos Reservados.

Telefone: (+351) 212 592 663

Intervimos ativamente para a construção e mudança de paradigma da Economia Social e Solidária.

Pela construção de uma sociedade mais justa, paritária e inclusiva.

Partilhar

Like this:

%d bloggers like this: