Associação ACEGIS

Dia Internacional da Igualdade Salarial

O Dia Internacional da Igualdade Salarial, a ser comemorado anualmente em 18 de setembro, foi estabelecido em 2019 pela Assembleia Geral da ONU, que expressou profunda preocupação com o lento progresso no empoderamento económico das mulheres, a desvalorização do trabalho tradicionalmente desempenhado por mulheres e as desigualdades salariais entre homens e mulheres no mercado de trabalho.

Em todo o mundo, apesar de décadas de ativismo e das dezenas de leis sobre igualdade salarial, as mulheres ainda ganham menos de 80 centavos para cada dólar recebido por homens. Se a tendência atual prosseguir, a desigualdade económica entre homens e mulheres demorará 257 anos a desaparecer.

Neste primeiro Dia Internacional da Igualdade Salarial, o secretário-geral da ONU afirma que “precisamos perguntar por que são as mulheres relegadas a empregos com salários baixos; por que as profissões dominadas por mulheres têm salários mais baixos?

Para António Guterres, a igualdade salarial é essencial não apenas para as mulheres, mas para construir um mundo de dignidade e de justiça para todos.

Salário igual por trabalho de valor igual

Olhando para o progresso conseguido desde 2006, quando o Fórum Económico Mundial começou a medir a desigualdade de género, a desigualdade económica entre homens e mulheres nos salários e no emprego demorará 257 anos até ser eliminada.
 
A previsão é feita pelo Fórum Económico Mundial, no relatório anual, The Global Gender Gap Report 2020, sobre as desigualdades de género. 
 

O relatório atribui a desigualdade económica entre homens e mulheres a vários fatores. Estes incluem níveis persistentemente baixos de mulheres em posições de gestão ou de liderança, estagnação salarial, participação na força de trabalho e rendimento. As mulheres foram atingidas por um triplo golpe: primeiro, são mais representadas em muitas das funções mais atingidas pela automação, por exemplo, funções administrativas e de retalho. 

Segundo, não há mulheres suficientes a ingressar nas profissões – frequentemente, mas não exclusivamente, voltadas para a tecnologia – onde o crescimento salarial foi mais pronunciado. Como resultado, acontece com demasiada frequência as mulheres no mundo do trabalho encontrarem-se em categorias de salários médios e baixos, que estão estagnadas desde a crise financeira de há 10 anos. 

Em terceiro lugar, fatores perenes, como falta de infraestrutura de atendimento e falta de acesso ao capital, limitam em grande medida as oportunidades da força de trabalho das mulheres. As mulheres passam pelo menos o dobro do tempo em atendimento e trabalho voluntário em todos os países onde os dados estão disponíveis, e a falta de acesso ao capital impede as mulheres de exercer atividade empreendedora, outro fator importante para o rendimento.

O direito ao trabalho é condição essencial à efetivação da igualdade de direitos, na independência económica e na realização profissional, pessoal e social das mulheres. É condição essencial na construção de uma sociedade mais justa, paritária e desenvolvida.

Artigos Relacionados

Ainda não recebe a nossa newsletter?

Receba as nossa notícias e artigos no seu e-mail. Fique a par das nossas novidades.

Join 16.648 other subscribers

Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social

Todos os Direitos Reservados.

Telefone: (+351) 212 592 663

Intervimos ativamente para a construção e mudança de paradigma da Economia Social e Solidária.

Pela construção de uma sociedade mais justa, paritária e inclusiva.

Partilhar

Like this:

%d bloggers like this: